Aula demonstração sobre RAID E LVM

Aula demonstração sobre RAID E LVM ministrada no dia 24/07/2014 como demonstração da metodologia dos cursos EaD da Egeekacademy. (www.egeekacademy.com.br)


Certificação LPI: A certificação Linux mais procurada na atualidade

O programa de certificação Linux mais procurado na atualidade é a criada pela LPI – Linux Professional Institute. A LPI é uma organização sem fins lucrativos, que possui sede na Califórnia nos Estados Unidos da América e foi constituída em 1999 pela comunidade Linux com a finalidade de desenvolver um programa de certificações GNU/Linux reconhecidas mundialmente por empresas e profissionais de TI. Foi a primeira organização a defender e ajudar o uso profissional de Linux, do Open Source e do Free Software.

Existem outras certificações Linux no mercado, mas são focadas em distribuições específicas, como, por exemplo, as certificações da Red Hat e as certificações da Novell (Suse). A CompTIA, que é o principal fornecedor de certificações em TI independentes de fornecedor nos Estados Unidos também tem programa de certificação voltada para Linux.

A Novell e a CompTIA atualmente são parceiras da LPI aumentando ainda mais o valor da certificação. Quem já é certificado LPIC-1 já leva de brinde a certificação Novell Certified Linux Administrator (CLA) e também será considerado certificado “CompTIA Linux+ powered by LPI”.

O grande diferencial da LPI é que a mesma não foca exclusivamente em uma distribuição Linux, quanto a isso ela é neutra, pois se baseia no padrão LSB – Linux Standard Base. O LSB foi criado para diminuir os custos envolvidos com suporte em plataformas com Linux e para conseguir isso a ideia é diminuir as diferenças entre as distribuições Linux. Portanto, o programa de certificações da LPI é independente de fabricantes e fornecedores de solução.

Então quer dizer que não cai na LPI assuntos específicos de distribuições como gerenciadores de pacote, localizações de arquivos de configuração diferentes e alguns outros comandos específicos?

O foco principal são os conceitos e entendimento das tecnologias envolvidas ao Linux, apesar de pequenos detalhes caírem na prova como gerenciadores de pacotes, arquivos de configurações de distribuições como Red Hat e Debian, por serem distribuições pioneiras e bem estabelecidas no mercado, mas a maior parte do que é cobrado na certificação é realmente neutra.

Provas

Cada prova da LPI tem 60 questões. Os assuntos possuem um peso e este determina a quantidade de questões sobre os mesmos na prova. O peso de cada assunto pode ser encontrado no site oficial da LPI nos objetivos detalhados de cada nível. A pontuação varia de 200 a 800 pontos e não é possível determinar a quantidade mínima de questões que você deverá acertar para obter êxito. O mínimo para conseguir aprovação é de 500 pontos. O candidato tem 90 minutos para responder a prova. A prova é formada por questões de múltipla escolha e dissertativas que cobram comandos e geralmente suas opções, arquivos de configuração ou conceitos em geral.

Formato das provas

PBT – Paper Based Tests (prova em papel): geralmente é aplicada em eventos de software livre e em locais onde não existe um centro VUE ou Prometric onde são aplicadas as provas eletrônicas. As provas aplicadas no Brasil são enviadas para os Estados Unidos onde são corrigidas. Após o prazo de 15 a 30 dias o candidato recebe o resultado através do e-mail. Se aprovado, mais dias serão necessários para que o mesmo receba o certificado via Correios. O preço de cada prova em papel é em torno de 260 reais este preço pode variar.

As provas em papel dos níveis 1 – LPIC–1 e dos níveis 2 – LPIC-2 são em português e as provas dos níveis 3 LPIC-3 são em inglês.

CBT – Computer Based Tests (prova eletrônica): podem ser agendas no horário e dia desejados através do site da VUE (http://www.vue.com). Será necessário cartão de crédito internacional para fazer o pagamento das provas, pois é feito em dólares.

O preço de cada prova eletrônica é em torno de 165 dólares (todos os níveis), mas este preço pode variar por isso é importante consultar o site da VUE no momento do cadastro para saber o valor atual. O resultado da prova eletrônica é mostrado assim que o candidato finaliza a prova e por isso tem se tornado preferência. As provas eletrônicas dos níveis 1 – LPIC-1 e níveis 2 – LPIC-2 são em português e LPIC-3 são em inglês.

Observação importante: para agendar sua prova eletrônica ou se inscrever para fazer a prova em papel você deverá ter o LPI ID criado através do seguinte endereço: https://cs.lpi.org/caf/Xamman/register. A criação do LPI ID é gratuita.

Níveis da LPI

A LPI possui três níveis atualmente: LPIC-1, LPIC-2 e LPIC-3.

LPIC-1

A LPIC-1 é voltada para administradores Linux nível júnior e é composta pelas provas 101 e 102.

Pré-requisito: Nenhum.

A prova 101 é focada nos seguintes assuntos: Arquitetura do sistema, instalação do Linux, gerenciamento de pacotes, comandos GNU/Linux, dispositivos / sistemas de arquivos / Filesystem Hierarchy Standard. É reconhecida pela maioria dos candidatos a LPIC-1 como a prova mais difícil deste nível por requerer detalhes de comandos e até assuntos pouco vivenciados no dia a dia do administrador de sistema.

Para saber os objetivos detalhadamente: http://www.lpi.org/linux-certifications/programs/lpic-1/exam-101.

A prova 102 é focada nos seguintes assuntos: Shell, Shell Script, gerenciamento de dados com SQL, interfaces de usuário, tarefas administrativas, serviços essenciais ao sistema, fundamentos de rede e segurança básicos.

Observação: Para ser considerado certificado LPIC-1 é necessário obter aprovação nas provas 101 e 102. Caso houver reprovação em uma delas, o candidato deverá refazer apenas aquela que ele reprovou.

Para saber os objetivos detalhadamente: http://www.lpi.org/linux-certifications/programs/lpic-1/exam-102/.

LPIC-2

A LPIC-2 é voltada para administradores Linux nível pleno e é composta pelas provas 201 e 202. É importante dizer que as provas deste nível (201 e 202) sofreram atualizações importantes em decorrência da nova organização de provas da nível 3 (LPIC-3).

Pré-requisito: LPIC-1.

A prova 201 cobra assuntos como compilação de Kernel e gerenciamento de módulos, sistema de inicialização, sistemas de arquivos e dispositivos, administração avançada de dispositivos de armazenamento como RAID via software, Logical Volume Manager e tunning de sistema de arquivos, particionamento, configuração de rede a cabo e sem fio, roteamento, OpenVPN, configuração de um servidor de DNS usando o BIND, comandos utilitários de rede e resolução de problemas envolvendo a rede. As novidades da prova 201 são:

  • Operações de backup;

  • Compilação de programas pelo fonte;

  • Planejar recursos de hardware e rede identificando e resolvendo problemas;

Para saber os objetivos detalhadamente: http://www.lpi.org/linux-certifications/programs/lpic-2/exam-201.

A prova 202 cobra assuntos como servidor Web Apache 2, Proxy SQUID, compartilhamento de arquivos com SAMBA e NFS, configuração de servidor DHCP, autenticação com o PAM, LDAP como cliente, servidor de e-mail (Postfix / Sendmail), gerenciamento de regras de firewall com iptables, servidor FTP com VSFTPD, TCP Wrapper. Esta prova costuma ser mais difícil que a 201, pois envolve raciocínio para descobrir soluções ou a causa de problemas que impende o correto funcionamento de um serviço ou da rede.As novidades da prova 202 são:

  • Nginx com servidor WEB e proxy servidor;

  • Proxy Squid como cache;

  • SSH;

  • OpenLDAP como servidor;

Para saber os objetivos detalhadamente: http://www.lpi.org/linux-certifications/programs/lpic-2/exam-202.

Observação: Para ser considerado certificado LPIC-2 é necessário obter aprovação nas provas 201 e 202. Caso houver reprovação em uma delas, o candidato deverá refazer apenas aquela que ele reprovou.

LPIC-3

A LPIC-3 é voltada para administradores Linux nível sênior e composta pelas provas 300, 303 e 304.

Ao contrário das certificações do nível 1 e 2, para ser considerado LPIC-3 basta obter aprovação na prova 300.

A prova 300 (Ambiente Misto) qualifica o profissional como Core e as demais do nível LPIC-3 envolvem assuntos específicos. Esta prova envolve as tecnologias como:

Configuração avançada do OpenLDAP: replicação, segurança (SSL, TLS, SASL), aumento de performance, integração com PAM e NSS, Active Directory, Kerberos;

Configuração do SAMBA versão 3: manutenção, troubleshooting, internacionalização, permissões, servidor impressão CUPS, gerenciamento de usuário e grupos, autenticação, autorização e Winbind, Samba como PDC e BDC, Samba 4 como controlador de domínio compatível com AD, configurar o Samba como Domain Member Server, resolução de nomes com Active Directory, configurar clientes Linux e Windows.

Pré-requisito: LPIC-2.

Para saber os objetivos detalhadamente: http://wiki.lpi.org/wiki/LPIC-3_300_Objectives.

A prova 303 é voltada para segurança e envolve assuntos como criptografia (GPG), OpenSSL, controle de acesso, SELinux, servidores de rede, SNORT, escaneamento de dados em rede, OpenVPN e monitoração de rede.

Para saber os objetivos detalhadamente: http://www.lpi.org/linux-certifications/programs/lpic-3/exam-303.

A prova 304 é voltada para virtualização (KVM, XEN) e alta disponibilidade (balanceamento de carga, gerenciamento de cluster, cluster storage).

Para saber os objetivos detalhadamente: http://www.lpi.org/linux-certifications/programs/lpic-3/exam-304.

Você é considerado especialista:

Especialidade

Combinação de provas

LPIC-3 Ambientes misto

300

LPIC-3 Segurança

300 + 303

LPIC-3 Virtualização e Alta Disponibilidade

300 + 304

Conclusão

A grande dica para quem quer conquistar as certificações LPI é buscar os objetivos detalhados no site oficial da LPI (http://www.lpi.org) e buscar material sobre os assuntos, se possível se matricular em cursos preparatórios e existem excelentes opções de curso (conheça a egeeked – http://www.egeeked.com.br) no nosso país, e, principalmente, fazer simulados mesmo que já se considere um “expert” em Linux. Já vi vários casos de pessoas com excelente conhecimento técnico serem reprovadas nas provas, por não conhecerem o estilo de questões.

Em minha opinião é melhor investir em simulados e treinamento do que livros em específico, pois são formas mais rápidas de evoluir para obter a certificação em termos de dicas e como é explorado cada assunto na prova.

Lembre-se após se certificar fique atento ao prazo de validade da certificação que atualmente são de 5 anos. Antes de finalizar os 5 anos você deverá refazer o nível que você possui ou obter a certificação de um nível maior, assim automaticamente estará renovada a certificação do nível anterior.

Dê um passo de cada vez, se planeje e você ganhará cada vez mais confiança a cada prova que fizer. Boa sorte!

Links

Padrão LSB

http://www.linuxfoundation.org/collaborate/workgroups/lsb

Site Oficial da LPI

http://www.lpi.org

Certificação CompTIA Linux

http://certification.comptia.org/getCertified/certifications/linux.aspx


Mudanças na Certificação LPIC-2 e LPIC-3

Aos que pretendem tirar a certificação LPI nível 3 (a prova 301) fiquem atentos as mudanças que em breve serão colocadas em prática! As provas atuais 301 e 302 serão fundidas e nascerá a prova 300. A prova 300 será lançada em outubro de 2013. As provas 301 e 302 serão extintas até o final de 2013. A prova 300 terá o seguinte nome: Mixed Environment e será suficiente para que o candidato aprovado seja considerado certificado nível 3 (Senior). Minha dica é espere que as mudanças se consolidem para fazer a nova prova e continuem estudando só que agora para o conteúdo das duas provas antigas (301 e 302) ficando atento ao site oficial da LPI (http://www.lpi.org/linux-certifications/programs/lpic-3) conferindo todos os itens que caem na prova. A mesma coisa vale para quem vai fazer a nível 2. Temos mudanças nesse nível também: (http://wiki.lpi.org/wiki/LPIC-2_Objectives_V4)


Pergunta interessante de um aluno: “Como verificar as bibliotecas que um processo servidor utiliza após ser compilado?”

Pergunta interessante de um aluno do curso de Linux:

“Instalo um programa de forma compilada, por exemplo: httpd. Utilizo neste caso alguns parâmetros de compilação, por exemplo: ./configure –prefix=/usr/local/apache –enablessl –with-ssl, etc…., posso usar dezenas de parâmetros.

Depois de algum tempo: meses, anos, pode se fazer necessário, saber, quais foram os parâmetros de compilação deste programa, para saber, por exemplo, quais módulos e recursos foram ativados e neste momento, como eu faria isso? Existe algum comando para isso?”

Resposta:

Você pode usar o comando ldd no daemon do servidor. Ele irá listar todas as bibliotecas que estão sendo usadas por ele.

Por exemplo:

# ldd $(which openvpn)
    linux-gate.so.1 =>  (0xb77a0000)
    libpkcs11-helper.so.1 => /usr/lib/i386-linux-gnu/

libpkcs11-helper.so.1 (0xb76ca000)
    libssl.so.1.0.0 => /lib/i386-linux-gnu/libssl.so.1.0.0 (0xb7673000)
    libcrypto.so.1.0.0 => /lib/i386-linux-gnu/libcrypto.so.1.0.0 (0xb74c7000)
    liblzo2.so.2 => /usr/lib/i386-linux-gnu/liblzo2.so.2 (0xb74a3000)
    libdl.so.2 => /lib/i386-linux-gnu/libdl.so.2 (0xb749e000)
    libc.so.6 => /lib/i386-linux-gnu/libc.so.6 (0xb72f4000)
    libpthread.so.0 => /lib/i386-linux-gnu/libpthread.so.0 (0xb72d9000)
    libz.so.1 => /lib/i386-linux-gnu/libz.so.1 (0xb72c2000)
    /lib/ld-linux.so.2 (0xb77a1000)

Indicação de material para estudo de Linux

Meus alunos dos cursos de Linux sempre me perguntam quais livros vale a pena comprar, segue uma pequena relação de livros, sites, simulados e revistas.

Não podemos esquecer também que se fizermos pesquisas no Google conseguimos material de excelente qualidade também. Portanto, vale a pena alertar que livros de tecnologia rapidamente ficam obsoletos. Pensem nisso, antes de resolverem comprar. Fica aí a dica! Abraços!

 

  • Servidores Linux – Guia Prático – Autor: Carlos Morimoto -  Editora: GDH Press e Sul Editores;
  • Redes, Guia Prático – 2a. edição – Autor: Carlos Morimoto -  Editora: GDH Press e Sul Editores;
  • Expressões Regulares – Uma abordagem divertida – Autor: Aurelio Marinho Jargas – Edição: 4ª – Editora: Novatec;
  • Programação Shell Linux – 8ª Edição – Autor: Julio Cezar Neves – Editora: Brasport;
  • Bombando o Shell – Caixa de Ferramentas Gráficas do Shell Linux – Autor: Julio Cezar Neves – Editora: Brasport;
  • Técnicas avançadas de conectividade e firewall em GNU/Linux – Autor: Humberto L. Jucá – Editora Brasport;

Acho que vale a pena adquirir simulados Actualtests ou TestKing para treinar para as certificações da LPI (se pesquisar na internet é possível que encontre alguns para download);

Sites interessantes:

Revistas:

  •     Linux Magazine
  •     Infra Magazine

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.